COVID-19

1.jpeg

Variante brasileira do coronavírus é a 2ª mais detectada nos EUA


A variante brasileira do novo coronavírus inicialmente detectada em Manaus, conhecida como P.1, é a segunda mutação mais detectada nos Estados Unidos, apontam dados do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), órgão de saúde do país.

Os EUA passam por uma nova escalada no número de casos confirmados, com quase 80 mil infectados na quinta-feira (8), e voltou a passar o Brasil na média de novos infectados na segunda-feira (5).

O que torna a variante brasileira do coronavírus tão perigosa?
ENTENDA: a diferença entre 'mutação', 'variante', 'cepa' e 'linhagem'
VACINAS X MUTAÇÕES: como o perfil dos imunizantes influencia a eficácia
O PERIGO DAS MUTAÇÕES: os desafios que elas impõem no combate à pandemia
Autoridades de saúde americanas alertam sobre a disseminação de várias variantes mais transmissíveis, algumas das são responsáveis por surtos em estados como Michigan e Califórnia, segundo o jornal "The Washington Post".

Segundo os dados dos CDCs, a variante britânica (B.1.1.7) é responsável por quase 20 mil casos em todos os 50 estados dos EUA e se tornou a cepa dominante.

Mas, pela primeira vez, a variante brasileira (P.1) apareceu em segundo lugar. Foram detectadas 434 pessoas infectadas com a cepa brasileira, contra 424 casos da variante sul-africana (B.1.351).

 

Fonte: G1